quarta-feira, 29 de janeiro de 2014

justiça ,igualdade e arte.



Quem disse que não posso sonhar com a justiça
com o fim da fome
quem disse que o menino de rua
não tem nome
e sempre serão assassinadas
numa candelária escura
em qualquer praça da cidade.

Quem disse que a realidade será sempre triste e nublada como
a nublação que cobre o céu antes da tempestade.

A realidade sera flor
será um canto de liberdade
um hino de amor
será vento suave trazendo justiça e igualdade
quem disse que não posso transformar
as latas enferrujadas
em rosas,orquídeas ,begônias e cravos.

posso fazer dos becos escuros
ruas com pastilhas
iluminadas com estrelas
posso ver mansões nos subúrbios
nas beiras dos canais
ver casas pintadas de rosas 
de azuis celestiais.

quem disse que não posso tentar
e viver um sonho que pode se realizar
quero poesia
quero musica verdade e arte
quero jardins espalhados pela cidades
risos colorindo os bairros.
ruas perderem a fome de gente
quero humor com sabedoria
quero risos infantis,risos idosos.

e ver o fim de tudo que é morte
quero vida,igualdade,justiça e sorte

segunda-feira, 27 de janeiro de 2014

humanidade


Deter a desigualdade
criar a alegria,
a felicidade
criar um lugar 
uma cidade
desprovida de violência
de toda maldade.

valorizar a humanidade
onde habita o amor
a pluralidade
e todos andem juntos
na solidariedade.

terra para todos
no sentido da igualdade
trabalho para que
todos tenhamos dignidade.

E vivamos de forma completa
na sociedade
sem medo do futuro
da globalidade
pois não somos números somos 
humanidade.

domingo, 26 de janeiro de 2014

sábado, 18 de janeiro de 2014

homem não chora



Homem que é homem não chora
Jamais chora e se o coração chorar
não permita que suas
lagrimas ensanguentadas
venham a germinar da boca pra fora, pois
homem não se sensibiliza,
Homem não chora.

Ao ler um poema sua pele
manifesta-se em arrepios
com versos suaves  e certeiros
Que perfuram a emoção bem no centro.
Os olhos umedecem como se quisessem
jorrar para fora em forma de lagrima
A sua masculinidade impregnada.
E agora.

Homem não se sensibiliza
Homem não chora.

- o maior poeta do mundo chorou.
- talvez numa hora de fraqueza.

-os gênios choram
-talvez num momento de delírio

-as mulheres choram
-choram porque são fracas, sempre foram.

-o céu chora
-agora é você que esta delirando.

-as flores choram
-talvez porque nunca chegaram a ser uma arvore

- mas as arvores choram.
-se choram é porque são fracas.

Mas eu choro e choro forte como um leão
intenso como a força da minha masculinidade .

Choro com lagrimas cristalinas
prateando minha barba por fazer
Choro porque sou gente,
sou poeta, sou num louco delirante.

Tolo não se emociona
idiota não chora.



quarta-feira, 15 de janeiro de 2014

Dai-me cidadania




Dai-me  sol
uma flor de girassol
dai-me mel
para combater esse fel
dai-me filosofia
para entender essa agonia
dai-me uma canção
para plantar no coração
dai-me  voz
e desatei esses nós
dai-me um grito
e despertai o mito
dai-me poesia 
e ressuscitai
a cidadania !

terça-feira, 7 de janeiro de 2014

parte de mim



Parte de mim quer voar no vento
outra parte é só lamento
parte de mim quer viver num deserto
outra parte não sabe o que é certo.

parte de mim quer dormir e sonhar
outra parte nunca vai acordar
parte de mim quer terminar
outra parte um novo começar.

 parte de mim é tão profunda
outra parte se afunda
parte de mim prazeriza
outra parte agoniza.

 parte de mim num casulo dourado
outra parte num sepulcro caiado
 parte de mim adoça como mel 
outra parte amarga como fel

 parte de mim se eterniza
outra parte se amortiza
parte de mim sente dó
da outra parte que vive só.

o poema que me pariu.



Poetizo por necessidade
por falta de paixão
uma eterna saudade
mora no coração.

 poetizo com dor de parto
essa dor só o poeta sentiu
qualquer dia destes enfarto
e volto ao poema que me pariu.

sábado, 4 de janeiro de 2014

ela


                                                                                  pintura de: Mou Lu


O desvendar dos tesouros ocultos
um sorriso florescente nas tristezas escuras
aureola brilhante num inferno cinza.

Ela inovações de beleza nos lugares silenciosos
uma fala vazia, de lagrima  e risos
sempre ausente no tato da mão.

Ela a vida de um poema sem vida
a musica que silencia
o barulho que tira o sono
o som gostosa da chuva
que gota a gota esgota.

Ela o segredo que se desvenda
no mais intimo momento de mim.
aparência de ausências
um paraíso feito carne
a incompletude do meu nada.

(contem citações de Olivério Girondo)