sábado, 18 de setembro de 2010

SALA DE JANTAR

(contém sitações de Janires Magalhães Manso -grupo rebanhão)


Da sala de jantar, ouço o ronco do estomago

daqueles que não tem o que comer

e como cães caçam no lixo um alimento.

Da sala de jantar

ouço os gritos dos trabalhadores explorados

ouço o choro infindo das crianças

estrupadas, das crianças orfãs.

Da sala de jantar

vejo a miséria impiedosa

devorando gente, engolindo esperança

arrotando sonhos.

são restos, escarros cupidos pela vida

que é mais que bandida traficando miséria.

Da sala de jantar

"vejo a que as salas estão vazias

os campos coloridos estão deserto

a poesia que fala que as flores ia crescer

estão abandonadas ,amarrotadas nos bolsos dos poetas".


Os músicos , poetas

políticos, religiosos e os intelectuais

os psicólogos, filósofos

e assistentes sociais

estão comendo caviar

na bela sala de jantar.

Um comentário:

cesarsurya disse...

Gostei do trocadilho que usou para expressar as angústias observadas. Eu consegui ver você jantando, com fisionomia séria, observando, dia após dia, tais situações...Show de bola!